Neste 2º semestre/2011 Faça e Aconteça!

11 05 2011

Anúncios




O pior emprego do mundo: chocante relato de um massagista.

3 02 2011

Com certeza um relato chocante que irá deixar até a mais empedernida feminista revoltada! E a Escola D’Sagres contribui com esse tipo de exploração…tsc,tsc,tsc!





Ano novo com mais Gentileza!

7 01 2011

Entra ano e sai ano é sempre assim: provavelmente você se vestiu de branco, pulou as sete ondinhas, fez seus propósitos para o ano novo e saiu para o abraço, certo?

Vai um champagnezinho aí?

Tudo muito lindo e muito maravilhoso em uma época propícia para a confraternização, porém, no transcorrer do ano o buraco se torna mais embaixo; correria, stress, todo o afeto e gentileza do final do ano vão por água abaixo…

E se mais do que uma meta, cultivar a gentileza e propagá-la ao mundo se transformasse em uma missão?

Foi exatamente isto que aconteceu a partir dos anos 70 com um senhor chamado José Datrino, que sob a alcunha de Profeta Gentileza tornou-se conhecido por fazer inscrições peculiares sob o viaduto do Caju no Rio de Janeiro e por tornar-se arauto da “Gentileza que é o remédio para todos os males”.

Como diria Obama: that's is the guy!

Oriundo de uma família humilde do interior paulista, desde cedo Datrino teve de trabalhar duro para ajudar no sustento de seus 11 irmãos e a partir dos 13 anos passou a ter premonições sobre sua missão na terra, acreditando que um dia depois de constituir sua própria família e bens abandonaria tudo em prol de seu destino.

Já adulto e morando no Rio de Janeiro tornou-se um próspero empresário do ramo do transporte de cargas, teve sua vida totalmente modificada quando na cidade de Niterói o Gran Circus Norte-Americano pegou fogo e matou 500 pessoas no ano de 1961.

Seis dias após o ocorrido e faltando apenas dois dias para o Natal, Datrino, segundo suas próprias palavras, teria ouvido vozes astrais que o mandavam abandonar o mundo material e dedicar-se inteiramente ao mundo espiritual.

Pegando um dos caminhões da frota de sua empresa dirigiu-se até o local da tragédia e sob as cinzas do circo criou um jardim e uma horta, tornando-se inclusive morador do local por 4 anos de sua vida.

Passou também a consolar voluntariamente os familiares das vítimas do incêndio com suas palavras de bondade e conforto, passando a se chamar João Agradecido.

O nome de “Profeta Gentileza” foi ganho porque vivia pregando o amor, a paz e pedia  sempre “por gentileza”. Jamais dizia a palavra “Obrigado”, pois dizia que obrigado vinha de obrigação e preferia dizer “agradecido”.

Após ter se retirado do local que passou a ser conhecido como “Paraíso Gentileza” iniciou sua jornada como andarilho.

Com um visual bem inusitado para o século XX: uma bata branca cheia de apliques com mensagens positivas, barba longa e longos cabelos, José Agradecido ou Profeta Gentileza como também era conhecido; não hesitava em propagar suas mensagens, flores e seu “lifestyle” pelas ruas, praças, trens, ônibus e barcas de travessia entre as cidades do Rio de Janeiro e Niterói.

Anatomia da gentileza.

Pregando sempre sobre bondade, respeito ao próximo e a natureza (já nos idos de 70), amor e gentileza, denunciava o “mundo regido pelo capeta capital que vende tudo e destrói tudo” tinha como refrão recorrente, inclusive nos mais de 1,5 Km nas 56 pilastras do viaduto onde escreveu em verde e amarelo suas mensagens, “gentileza gera gentileza” como uma via alternativa à brutalidade do atual sistema de relações entre as pessoas.

Profeta tropical, mensageiro da gentileza.

Não admitia receber esmolas: “é mais fácil um burro criar asas e avoar do que um centavo de alguém aceitar”. Ao contrário, alertava: “cobrou é traidor – o padre está esmolando, o pastor tá pastando e o Papa tá papando, papão do capeta capital”.

A pregação anti-capitalista constituiu a denúncia maior do Profeta. Às vezes foi tomado como comunista, tendo que explicar às “autoridades” o porquê das iniciais PC em seu estandarte (na época). Na ambigüidade criada, não se tratava de uma vinculação ao Partido Comunista, mas ao Pai Criador.

Durante a badaladíssima Eco 92 (alguém é desta época?) Gentileza postava-se estrategicamente no lugar por onde transitavam presidentes, primeiros-ministros e outras autoridades incitando a viverem a gentileza e a aplicarem em toda terra.

"Quem é mais inteligente, o livro ou a sabedoria? Não é a sabedoria? Então eu sou a sabedoria, nós somos a sabedoria de Deus."

Chegou a ser internado 3 vezes em hospitais psiquiátricos. Os pacientes ficavam a sua volta, ouvindo atentamente suas pregações, até mesmo um dos psiquiatras disse que os choques eram à toa: José não era louco e outro teria dito: “Gentileza, você veio para te curarmos ou para nos curar?”.

Quando chamado de louco, dizia: “sou maluco pra te amar, louco pra te salvar” … “seja maluco mas seja como eu, maluco beleza, da natureza, das coisas divinas.”

Entretanto não se pode esquecer o fato de que mesmo sendo uma “pessoa iluminada” o Profeta Gentileza era acima de tudo demasiado humano, passível de contradições e erros, pois, segundo um artigo de autoria da professora Luiza Petersen e do jornalista e escritor Marcelo Câmara, que conviveram com Datrino (“Jornal do Brasil” de 21/02/2010), apesar de falar reiteradamente em gentileza, era “agressivo, moralista e desbocado […] Vociferava, ofendia e ameaçava espancar transeuntes”, ao ponto de às vezes ser necessário chamar a polícia para acalmá-lo.

“Suas principais vítimas eram as mulheres de minissaia ou com calças apertadas, de cabelos curtos, que usavam maquiagem, salto alto e adereços […] A maioria da população, especialmente as mulheres e crianças, fugiam dele”. Segundo estes autores a imagem que se criou dele após sua morte, não corresponde às lembranças dos que conviveram com ele durante os anos 1960 e 1970.

Calma profeta, sou uma moça de família!

O fato é que a atemporalidade de sua mensagem e seus escritos transcendem toda e qualquer imperfeição comportamental.

Sua monumental e singular obra escrita em verde, amarelo e preto com fundo branco, gravada em 56 pilares do viaduto do Caju com mensagens sobre amor, natureza, espiritualidade, capitalismo e como não poderia deixar de ser gentileza, embora para muitos pareça estranha e até mesmo errada é dotada de grandes significados como no caso da palavra amor que grafada “Amor” com um R queria dizer amor material e grafado com três R (Amorrr) é o amor do Pai, Filho e Espírito Santo, ou seja, espiritual.

Criando toda uma curiosa simbologia religiosa que desperta a atenção pelo acréscimo de letras nas palavras, adotando um caráter trinitário e quaternário, Gentileza desenvolve também em sua linguagem: o UNIVVVERRSSO é a criação conjunta de F/ P/ E (Pai, Filho, Espírito) em VVV e duplamente participação em RR e SS. Assim como o AMORRR ao qual ele sempre se referia: “amor material se escreve com um R, amor universal se escreve com três R: um R do Pai, um R do Filho, um R do Espírito Santo – AMORRR”. Esta mesma marcação aparece em F/ P/ E/ N, incorporando um quarto termo (N) SSENHORRA em sua visão religiosa.

Para o Profeta, todos estes termos manifestam gentileza, reafirmando a extensão de sua simbologia.  A eficácia de sua alternativa recolhe sua força do alcance de seu próprio desígnio e daquilo que este é capaz de promover: GENTILEZA GERA GENTILEZA, nos convoca o Profeta, proclamando um Princípio ético e divino no mundo.

Não é Moisés com os dez mandamentos, não. É o Profeta Gentileza espalhando a bondade!

Quando era acusado de não saber escrever, ele respondia da seguinte forma: “Eu que não sei escrever ou você que não sabe ler? Conheser é de conhecer o ser, conhecer a si mesmo”.

Após sua morte no ano de 1996 as mensagens foram alvos de pichadores e posteriormente cobertas com tinta cinza pela prefeitura, vindo a ser completamente restauradas no ano de 2000 com o Projeto Rio com Gentileza.

Em 29 de maio de 1996, aos 79 anos, faleceu na cidade de seus familiares, onde se encontra enterrado, no “Cemitério Saudades”.

Com o decorrer dos anos, os murais foram danificados por pichadores, sofreram vandalismo, e mais tarde foram cobertos com tinta de cor cinza, fato que mereceu até uma canção protesto da consagrada artista Marisa Monte.

Com ajuda da prefeitura da cidade do Rio de Janeiro, foi organizado o projeto Rio com Gentileza, que teve como objetivo restaurar os murais das pilastras, que foram completamente restauradas no ano 2000.

Foto da restauração dos murais.

Ao restaurar as imagens o projeto restaurou também o olhar peculiar do Profeta ante seus semelhantes, o cuidado com o próximo valendo-se apenas do mais simples do gestos, a gentileza.

Lembre sempre do profeta, inspire-se com suas palavras e não se esqueça: “gentileza gera gentileza”!

Fontes:  Rio com Gentileza, wilkipédia, www.nicholasgimenes.blogspot.com, www.jeffcelophane.wordpress.com 

Crédito das imagens: Rio com Gentileza





Os números de 2010

4 01 2011

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Mais fresco do que nunca.

Números apetitosos

Imagem de destaque

Um Boeing 747-400 transporta 416 passageiros. Este blog foi visitado cerca de 9,000 vezes em 2010. Ou seja, cerca de 22 747s cheios.

In 2010, there were 38 new posts, growing the total archive of this blog to 85 posts. Fez upload de 255 imagens, ocupando um total de 202mb. Isso equivale a cerca de 5 imagens por semana.

The busiest day of the year was 24 de dezembro with 98 views. The most popular post that day was Você pode não acreditar em Papai Noel, mas que pode ser o Papai Noel de alguém, pode!.

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram escoladsagres.com.br, google.com.br, pt-br.wordpress.com, mail.live.com e twitter.com

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por luto, papai noel rock, boneca emilia, gato preto e zé pequeno

Atracções em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

Você pode não acreditar em Papai Noel, mas que pode ser o Papai Noel de alguém, pode! novembro, 2010

2

Heróis da vida real: Zilda Arns e o bom combate. janeiro, 2010
2 comentários

3

Cursos novembro, 2009

4

Inclusão Social, vai encarar? novembro, 2009

5

Sobre a D´Sagres novembro, 2009
1 comentário

Agradecemos de coração à todos que prestigiaram e continuam a prestigiar este blog que é feito com carinho e esmero.

E aguardem novidades, novo visual e otras cositas más…





Mude! Faça e aconteça!

16 12 2010

Em um misto de conselho de amigo, propaganda e diversão, neste vídeo elaborado pela SUMI-E Agência de Comunicação a Escola D’Sagres Brusque mostra o que realmente é sua missão: ajudar cada aluno a promover sua própria revolução, buscando sempre o autoaperfeiçoamento e vencer por meio do estudo e dedicação. Porque o aluno D’Sagres é sempre assim…UAU…UAU-GO MAIS! E para aqueles que ainda não são alunos D’Sagres fica aí nosso recado: evolua sempre e conte também com a Escola D’Sagres onde quem faz, acontece!





Sobre o bom velhinho e tatuagens.

7 12 2010

Está vendo esse simpático velhinho fantasiado de Papai Noel?

O trabalho como Papai Noel é realizado há 10 anos. A barba, que já não necessita de retoques para ficar grisalha, é cultivada faz 33. E o corpo do Bom Velhinho recebe tintas há 22 anos. É com esse, digamos, currículo que Vitor Sanchez Martins faz seu pé de meia no fim do ano – ou enche o sapatinho, como diz a canção natalina. Anunciado como o Papai Noel mais tatuado do Brasil pelo shopping que o contratou, o ex-publicitário afirma ter 94% do corpo coberto por desenhos. “No começo temi pelo que pudesse acontecer quando vissem, mas agora as tatuagens é que atraem o público”, afirma Martins, de 55 anos. Nem sempre foi assim.

Você sentaria no colo deste Papai Noel?

A barba, começou a cultivar tão logo foi dispensado do Exército. “Passei por maus bocados lá e, assim que jurei a bandeira, fiz a promessa de nunca mais cortá-la”, conta. Um amigo viu os primeiros pelos brancos e pediu para fotografá-lo com a fantasia natalina, apenas como brincadeira. A foto agradou um cliente e, assim, veio o primeiro trabalho como Noel, para uma campanha publicitária. Em 2002, uma emissora de TV decidiu fazer uma matéria acompanhando um dia na vida do ilustre morador do Pólo Norte – ou, como denunciaria o Google Maps, São Caetano, no ABC paulista. No camarim, surpresa! o câmera flagrou o desenho que cobria as costas de Martins: nada menos que a imagem de Lúcifer. “Não mostraram isso no programa, claro, mas fiquei preocupado. Para continuar o trabalho no Natal, não podia ter aquele desenho.”

Só faltou o: Happy New Year!

Formado em artes plásticas, ele fez um trato com um tatuador: daria aulas em troca de um desenho que cobrisse o anjo caído em suas costas. Assim, uma carpa ao estilo oriental foi seu presente de/para o Natal. Martins gostou tanto da negociata, que propôs o mesmo para outros artistas das agulhas. “Me entusiasmei e fiz tattoos pelo corpo todo.” Somente o rosto e as pontas dos dedos ficaram imunes à tinta. A vestimenta para o rigoroso inverno no Norte também o protegia dos olhares curiosos e enviesados.

Ho!Ho!Ho!

Até que, em 2009, a TV novamente mudou os rumos de seu trenó. Com um teor de polêmica, o público era incitado a opinar sobre qual seria o segredo daquele Papai Noel. Enquanto isso, Vitor ficava atrás de um biombo e, a cada tentativa da audiência, tirava uma peça da fantasia. “Fiz um strip-tease até aparecer apenas de sunga. No dia seguinte, o shopping para o qual trabalhava (o mesmo deste ano) encheu de gente querendo tirar foto com o Noel tatuado.”

Onde está Wally?

Fonte:  o excelente Red Hair Tatoo – www.redhairtatoo.com.





Você pode não acreditar em Papai Noel, mas que pode ser o Papai Noel de alguém, pode!

27 11 2010

Se você não acredita no bom velhinho não tem problema, o importante é a caridade que há em seu coração! 

Não precisa acreditar em mim não brother...Mas faça o que eu faria!

O ABANDONO INDÍGENA

  

 

 

Esta pequena tribo foi transferida do seu local de origem – Morro dos Cavalos – no dia 29 de abril de 2009, pois devido à duplicação da BR101 perderam grande área de cultivo, ficando apenas com uma localidade de difícil acesso e coberta por mata Atlântica preservada. Para não desmatar e também não acabar dependendo de doações, o Cacique fez um pedido de indenização junto a FUNAI e DNITE, para serem transferidos para uma área onde pudessem plantar e se sustentar sem agredir a natureza. Através deste pedido, tais órgãos trouxeram esta tribo para um terreno no Município de Major Gercino, ao chegarem se depararam com uma área própria para plantio, rica em vegetação e com nascentes para o consumo da água, mas sem assistência.

 

Diante da situação de abandono, os integrantes da tribo saíram a pedir auxilio para a comunidade, acabaram chegando na prefeitura onde conseguiram algumas sementes e mudas, as quais já foram plantadas, mas ainda não matam a fome.

  



 

A tribo é comandada pelo Cacique Pajé Artur Benite de 69 anos, são 17 famílias, um total de 76 pessoas, sendo 36 crianças de 0 a 13 anos, destas crianças 16 frequentam a escola na própria tribo, onde um índio ministra as aulas e recebe salário do Estado e merenda escolar, outras 6 frequentam a escola do município e se deslocam até lá com o transporte escolar do município. Na questão saúde, além dos atendimentos realizados pelo próprio pajé, com tratamentos caseiros, os índios são assistidos por um agente de saúde da própria tribo, este é pago pela FUNAI, em casos mais graves os índios são tratados no posto de saúde do município ou nos Hospitais da região. Estes dois integrantes da tribo, o professor e o agente comunitário, são os únicos na comunidade com renda.

A tribo mantém o seus costumes, suas construções são de pau-a-pique ou madeira reutilizada, a língua falada é o Bia Guarani, nem todos falam o português, embora a partir dos 6 anos recebam aulas de português. Buscam se auto-sustentar, enfatizam a necessidade de receberem sementes e mudas para não dependerem mais da caridade alheia. São sementes de melancia, feijão, abóboras, mudas de aipim, verduras, frutas, tomate, cenoura, beterraba, pepino. Possuem alguns equipamentos para aragem da terra, além de ferramentas, mas ainda precisam de algumas enxadas. Consomem em média mensal 170kg de arroz, 100kg de fejão, além de trigo, farinha, café, leite, fubá, sabão e materiais de higiene pessoal.

 

Neste momento é uma comunidade carente de tudo, mas que vem buscando uma independência através da bondade alheia, até o momento o governo não se manifestou com qualquer tipo de auxilio. Sensibilizados com a situação precária, principalmente das crianças, preocupados também em manter os costumes, buscamos auxilia-los nestes primeiros passos, para que mais tarde estas visitas de assistencialismo se transformem em visitas de passeios em busca de conhecimento da cultura indígena, tão valorizada em várias partes do mundo.

Interessados em ajudar entrem em contato com a Escola D’Sagres Brusque pelo telefone (47) 3396-0050 ou com a Massoterapeuta Denise Voltolini pelo telefone (48) 3267-0919 ou compareça até a sede da Escola D’Sagres Brusque com sua doação que será repassada aos responsáveis pela ação. Seja solidário(a)!



Fonte: crédito do texto Denise Voltolini promotora da ação.