Sobre o bom velhinho e tatuagens.

7 12 2010

Está vendo esse simpático velhinho fantasiado de Papai Noel?

O trabalho como Papai Noel é realizado há 10 anos. A barba, que já não necessita de retoques para ficar grisalha, é cultivada faz 33. E o corpo do Bom Velhinho recebe tintas há 22 anos. É com esse, digamos, currículo que Vitor Sanchez Martins faz seu pé de meia no fim do ano – ou enche o sapatinho, como diz a canção natalina. Anunciado como o Papai Noel mais tatuado do Brasil pelo shopping que o contratou, o ex-publicitário afirma ter 94% do corpo coberto por desenhos. “No começo temi pelo que pudesse acontecer quando vissem, mas agora as tatuagens é que atraem o público”, afirma Martins, de 55 anos. Nem sempre foi assim.

Você sentaria no colo deste Papai Noel?

A barba, começou a cultivar tão logo foi dispensado do Exército. “Passei por maus bocados lá e, assim que jurei a bandeira, fiz a promessa de nunca mais cortá-la”, conta. Um amigo viu os primeiros pelos brancos e pediu para fotografá-lo com a fantasia natalina, apenas como brincadeira. A foto agradou um cliente e, assim, veio o primeiro trabalho como Noel, para uma campanha publicitária. Em 2002, uma emissora de TV decidiu fazer uma matéria acompanhando um dia na vida do ilustre morador do Pólo Norte – ou, como denunciaria o Google Maps, São Caetano, no ABC paulista. No camarim, surpresa! o câmera flagrou o desenho que cobria as costas de Martins: nada menos que a imagem de Lúcifer. “Não mostraram isso no programa, claro, mas fiquei preocupado. Para continuar o trabalho no Natal, não podia ter aquele desenho.”

Só faltou o: Happy New Year!

Formado em artes plásticas, ele fez um trato com um tatuador: daria aulas em troca de um desenho que cobrisse o anjo caído em suas costas. Assim, uma carpa ao estilo oriental foi seu presente de/para o Natal. Martins gostou tanto da negociata, que propôs o mesmo para outros artistas das agulhas. “Me entusiasmei e fiz tattoos pelo corpo todo.” Somente o rosto e as pontas dos dedos ficaram imunes à tinta. A vestimenta para o rigoroso inverno no Norte também o protegia dos olhares curiosos e enviesados.

Ho!Ho!Ho!

Até que, em 2009, a TV novamente mudou os rumos de seu trenó. Com um teor de polêmica, o público era incitado a opinar sobre qual seria o segredo daquele Papai Noel. Enquanto isso, Vitor ficava atrás de um biombo e, a cada tentativa da audiência, tirava uma peça da fantasia. “Fiz um strip-tease até aparecer apenas de sunga. No dia seguinte, o shopping para o qual trabalhava (o mesmo deste ano) encheu de gente querendo tirar foto com o Noel tatuado.”

Onde está Wally?

Fonte:  o excelente Red Hair Tatoo – www.redhairtatoo.com.

Anúncios




Cartazes sobre boas maneiras no metrô de Tóquio – parte II

31 08 2010

Eu estarei de pé (Julho de 1979)

O personagem Uesugi Teppei era um personagem bem popular de um mangá dos idos de 70 e neste cartaz incentiva os mais novos a cederem seus lugares aos mais velhos. Já não se fazem mais personagens de HQ como antigamente, um exemplo de educação!

Não tenha pressa de entrar no comboio (Abril de 1979)

Este cartaz alerta os passageiros para que não se apressem para o comboio no último momento .

O texto (かけこみ 禁 寺) é uma brincadeira com as palavras かけこみ 禁止(kakekomi Kinshi – “Não se apresse para o trem “) eかけこみ 寺(Kakekomi dera – – templo Kakekomi ), que no Japão é conhecido como um santuário para as mulheres casadas que fogem dos maridos.

Resumindo: o cartaz puxa a orelha dos apressadinhos de plantão, entendeu!?

Mostre claramente seu passe (Setembro de 1978)

Até o “grande” Napoleão tinha a obrigação de mostrar o seu passe aos atendentes do metrô ao passar pelos portões. Nada de privilégios!

Os seres humanos são esquecidos (Fevereiro de 1976)

 Astro Boy é figurinha carimbada dos animes e mangás e mostrando não ser apenas mais um rostinho bonitinho no emaranhado de referências pop, lembra os incautos passageiros de levarem seus pertences, ao saírem do metrô, ao entregar chapéu e guarda chuva (novamente ele) a seu criador Osamu Tezuka.

Quando o sino toca, é tarde demais (Abril de 1977)

No que diz respeito a pontualidade, Cinderela não é exemplo para ninguém.

Este cartaz , que mostra Cinderela correndo no toque da meia-noite, serve para avisar os passageiros contra o perigo de tentar correr para o comboio após o apito de partida.

Maria está cansada (Setembro de 1977)

E a Virgem Maria está cansada, não pelos pecados do mundo, mas sim pela falta de lugares no metrô. Quando vir uma pessoa com criança de colo seja educado e ceda o lugar. Principalmente se for Maria carregando o Menino Jesus!

Não fumar nos horários para não fumantes (Outubro 1980)

Mais um cartaz da série “é proibido fumar” na plataforma nos horários designados para não fumantes. Alguém saberia dizer quem é este personagem?

Você já bebeu demais (Outubro de 1976)

Poster direcionado novamente aos bebuns de fim ano, o detalhe é que começou a ser veiculado já no mês de outubro de 76.

O texto, traduzido livremente diz o seguinte: “Eu pareço com Papai Noel porque você bebeu demais. É só outubro. Se beber tenha cuidado com os outros passageiros”.

Wasureemon (Junho de 1980)

E mais uma vez eis que surge o nosso já conhecido amigo, Doraemon, lembrando de não esquecer o guarda chuva e sugerindo que se escreva o nome, o endereço de sua empresa ou escola em seus pertences.

Marcel Marceau (Outubro de 1978)

Parodiando o mímico francês Marcel Marceau, este cartaz faz um lembrete para que não se ocupe o assento reservado à idosos, gestantes e mulheres com crianças de colo. Um gesto que vale mais que mil palavras.

Eu pisei na goma (Março de 1980)

A imagem de um gato pisando um chiclete é um toque lúdico sobre a canção popular entre as crianças “Neko Funjatta(” Eu pisei em um gato “).

Será que é o nosso popular “atirei o pau no gato tô tô, mas o gato tô tô não morreu…”? E esse pescoço totalmente virado é alguma paródia ao filme “O Exorcista”? Mistérios nipônicos…

Mostre claramente o seu passe de trem (Setembro de 1976)

Mesmo quando passar voando em alta velocidade como o Superman pelas catracas, não deixe de mostrar claramente o seu passe para os atendentes.

Por favor, abra! (Julho de 1977)

Lembrete aos passageiros sentados à janela para deixar entrar ar fresco quando a temperatura estiver alta. Precisa dizer que o boneco está implorando: “Pelo amor de Deus alguém abra essa janela”?

Hora dos não fumantes (Novembro de 1982)

A imagem de John Wayne (ator hollywoodiano de filmes de western, também conhecidos como filmes de bang bang) na capa de uma simulação da revista Time serve como um lembrete para não fumar na plataforma durante os horários designados para os não fumantes ( 07:00-09h30 e 05:00-19:00 ).